Home / Destaque / Governo entrega projeto de reajuste na AL

Governo entrega projeto de reajuste na AL

Mesmo sem aval dos brigadianos, governo entregou proposta
Mesmo sem aval dos brigadianos, governo entregou proposta no Legislativo

O Governo do RS entregou, na tarde de 2 de dezembro, na Assembleia Legislativa o projeto de reajuste  salarial para servidores de nível médio da Brigada Militar.  O documento foi entregue pelo secretário-chefe da Casa Civil, Carlos Pestana, ao presidente do Legislativo, Pedro Westphalen (PP).

O governo entregou o documento mesmo tendo conhecimento da rejeição da proposta pela categoria e acredita que os números evitarão protestos no próximo ano, antes da Copa do Mundo. O salário básico de um soldado, agora,  R$ 1, 7 mil alcançará R$ 4.050,80,  somente em 2018. Isto significa a permanência dos brigadianos na parte mais baixa da pirâmide de salários entre as polícias militares brasileiras.
Segundo o líder do governo na AL, deputado Valdeci Oliveira, o projeto será acompanhado de perto. “Vamos monitorar o andamento deste PL para poder encaminhar a pauta da melhor maneira possível. O reajuste vai valorizar a categoria”, afirmou.
O comandante-geral da BM ressaltou a importância do projeto para a Corporação. “Esperamos o apoio da Assembleia porque é um projeto importante para a BM, é um aumento histórico. Em um período de oito anos, os servidores nunca haviam recebido nada igual”, afirmou o coronel Fábio Duarte Fernandes. Na assembleia geral dos servidores de nível médio, foi aprovada a reivindicação de troca do Comando, devido ao afastamento do comandante da base da tropa.
Sem chamar as entidades para o diálogo, o governo gaúcho arrisca-se a enfrentar movimentos de protestos em 2014. De imediato, as entidades devem trabalhar junto aos deputados para melhorar os números dos reajustes.
Foto: Vinicius Reis
Paulo Rogério N. da Silva
Jornalista ABAMF 7355/RS 

Veja Também

Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS

Servidores decidem nesta sexta se greve se estenderá até dia 11

De acordo com a Fessergs, tendência é de que a paralisação dure até a próxima ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *